São Pedro Claver - 09/09
Cuidava dos escravos

São Pedro Claver

“Ego Petrus Claver, etiopum semper servur (Eu Pedro Claver, dos negros escravos para sempre)”, escreveu uma vez

São Pedro Claver, que, como missionário em Cartagena (Colômbia), tornou-se protetor da população negra e escravos.
O papa Leão XIII, ao canonizar São Pedro Claver, declarou: “Pedro Claver é o santo que mais me impressionou depois da vida de Cristo”.

Nasceu em Verdú, na Catalunha (Espanha) em 26 de junho de 1580. Desejando os piedosos pais consagrar o filho ao serviço do altar, enviaram Pedro à Salsona para estudar os primeiros elementos da gramática. Com 15 anos, o Bispo de Salsona conferiu-lhe a primeira tonsura e, aos 21 anos, entrou na Companhia de Jesus em Barcelona.

Pedro era devotíssimo da Virgem Maria e um profundo adorador de Jesus Eucarístico. Após os estudos, Pedro foi ordenado sacerdote e enviado como missionário à Cartagena, porto da Colômbia, onde viveu seu apostolado entre os escravos por mais de quarenta anos.

Em Cartagena, Pedro Claver estava diante de um dos três portos negreiros da América Espanhola, onde a cada ano chegavam de 12 a 14 navios carregados de escravos.

Os escravos trazidos ou “roubados” da África ficavam durante a viagem nos porões escuros do navio, que não tinham condições para abrigar seres humanos.

Eram tratados com menos cuidado do que os animais selvagens, e por fim os que não morriam, eram vendidos.

Sem dúvida, o mercado dos escravos foi a página mais vergonhosa da colonização das Américas. Muitos missionários levantaram a voz contra esta desumanidade, mas sofriam perseguições e eram expulsos.

Enquanto os escravos estavam presos para ser comprados, Claver os instruía e batizava, o que lhe causou mais de um problema.

Chegou a ser incompreendido pelas pessoas do povoado e, em algum momento, até pelos superiores.

Entretanto, o santo continuava com sua obra, tornando-se um grande profeta do amor evangélico que não tem fronteiras, nem cor.

O Papa proibiu repetidas vezes o comércio de escravos, mas a voz da Igreja não comovia a dureza dos comerciantes e nem das autoridades.

Durante mais de quarenta anos, a vida de Pedro Claver foi servir àqueles escravos, cuidando deles, do físico ao espiritual.

Claver fazia de tudo para evangelizar um por um. Por suas mãos passaram mais de trezentos mil escravos.

No dia 3 de abril de 1622, Pedro Claver acrescentou aos votos religiosos de sua profissão mais um voto: o de gastar a vida inteira ao serviço dos negros escravos. Testificando este voto, escreveu de próprio punho: “para sempre escravo dos negros”.

Vítima da caridade, acabou morrendo em 1654, com 74 anos de idade e 52 anos de vida religiosa, quando ao socorrer o Cristo excluído e chagado, pegou uma terrível peste. Partiu para a Casa do Pai em 9 de setembro de 1654, no território da atual Colômbia.

Foi declarado pelo Papa Pio X especial patrono de todas as missões entre os negros.

São João Paulo II, que visitou o túmulo deste santo em Cartagena, em 1986, disse que “hoje, como no século XVII em que viveu São Pedro Claver, a ambição do dinheiro domina o coração de muitas pessoas e as converte, mediante o comércio da droga, em traficantes da liberdade de seus irmãos aos quais escravizam com uma escravidão mais temível, às vezes, do que a dos escravos negros…”.

“Como homens livres a quem Cristo chamou a viver em liberdade, devemos lutar decididamente contra essa nova forma de escravidão que a tantos subjuga em tantas partes do mundo, especialmente entre a juventude, a qual é necessário prevenir a todo custo e ajudar as vítimas da droga a se libertar dela”, enfatizou.
São Pedro Claver, rogai por nós!

Fonte: ACI Digital
https://www.acidigital.com/noticias/hoje-a-igreja-recorda-sao-pedro-claver-protetor-da-populacao-negra-95206

Clique aqui e veja a oração à São Pedro Claver

Deixe uma resposta

Fechar Menu